Código Florestal e seus atores

novembro 6, 2011

Eu vou começar a falar minha opinião sobre o cinema, a televisão e o teatro.
É uma pena que não tenho espaço no canal de televisão mais assistido.
Mas posso fazer um abaixo assinado para mandar para o Senado, pedindo para que os nobres votem as leis, que eu que sou Zootecnista, acho que são as melhores para o setor.
Nada mais normal, de acordo com o que esta acontecendo hoje, em relação a proposta sobre o novo código florestal.
Atores deram depoimentos no YouTube. E hoje no Faustão, a atriz Cristiane Torloni, dissertou sobre o assunto, misturando alhos com bugalhos, falando em anistia para desmatadores, coisa que não existe na proposta e também sobre desmatamento zero. E os 7 bilhões que se virem…
Para aumentar (e muito) nossa produção de alimentos, não precisamos mesmo desmatar, mas vai explicar isso para as famílias que vivem em regiões subdesenvolvidas do país, que todo o restante do país teve a sua chance de se desenvolver e distribuir riqueza e eles não irão poder fazer o mesmo, pelo menos, não com os mesmos recursos.http://www1.folha.uol.com.br/poder/1002258-agronegocio-reduz-desigualdade-no-centro-oeste-do-pais.shtml
Eu entendo um pouco de teatro, mas acredito que seja suficiente para poder ir a publico e me manifestar, pena que não tenho o poder de influencia dos atores e atrizes ou dos “entendidos” que os influenciam e preparam os discursos fáceis, pra quem sequer se deu ao trabalho de ler a proposta, a qual estão criticando.
Eles desconhecem por exemplo que novo código, vem atender a demanda real dos pequenos produtores, que estão irregulares neste velho e ultrapassado código florestal, em 90% dos casos. Já os grandes produtores, que eles tanto recriminam, se viram muito bem do jeito que esta. É muito mais fácil, tem espaço e podem se ajustar, mas os pequenos, vão ter passar lá no Projac e tentar convencer a turma…http://www.youtube.com/watch?v=4ux_yD8s88M

20111106-204220.jpg

Anúncios

Sobre o selo de Estância Turística

junho 23, 2011

O Estado de São Paulo, possui uma classificação para alguns pontos turísticos do estado, chamado Selo de Estância Turística. Isso foi possível, graça a Assembléia Legislativa daquele estado ter criado este dispositivo, que de certa forma, incentiva as cidades a investirem não só no turismo, como na qualidade de vida, meio ambiente e lazer da população e visitantes.
Para que o Mato Grosso do Sul copie essa idéia, é necessário que a assembléia legislativa do estado aprove uma lei parecida. E parece que isso já foi iniciado, tentado e até conseguido… ou não. Confesso, que após uma ligação para a fundação de turismo e depois de buscas pela internet, consegui algumas coisas, mas que não clarearam muito. Vou ter que na semana que vem, solicitar a assessoria Juridica da prefeitura, que encontre pra mim, o que realmente existe, porque até o que eu consegui foi:

Deputada que apresenta essa proposta: Dione Hashioka
Projeto de Lei n. 212/08 que constitui requisitos mínimos para a criação de estâncias turísticas.
( mas até aí são estâncias e não selo de estância turística para a região ou cidade)

Da mesma deputada, segundo a fundação, mas não encontrei nada na internet.
Lei n. 3.650 de 25 de março de 2009 criando o selo de Estância Turística.

Como eu falei, vou ter que pedir para assessoria Juridica encontrar essa lei para darmos uma olhada e ver quais são as obrigações e as vantagens.
De qualquer forma obrigado pela dica.

20110623-082259.jpg

Folha.com – Cotidiano – Campanha em ônibus diz que Deus pode não existir – 10/12/2010

dezembro 11, 2010

10/12/2010 – 14h04

Campanha em ônibus diz que Deus pode não existir

HÉLIO SCHWARTSMAN
ARTICULISTA DA FOLHA

A Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) veicula a partir de hoje campanha publicitária para dizer que Deus pode não existir.

Empresas barram campanha publicitária

As peças de propaganda, com frases como "Religião não define caráter" e "A fé não dá respostas. Ela só impede perguntas", circularão em ônibus de Salvador e Porto Alegre por um mês.

"O prazo pode se estender, se tivermos doações", diz Daniel Sottomaior, da Atea.

A campanha teve início no Reino Unido em 2009 e se espalhou por outros países, com resultados distintos.

Nos EUA e na Espanha, a iniciativa deu certo, provocando a esperada polêmica. Na Itália, a veiculação foi proibida. Na Austrália, a companhia responsável por anúncios em ônibus se recusou a exibi-los.

Algo parecido aconteceu em São Paulo. Depois que conheceu o conteúdo dos anúncios, já após a assinatura do contrato, a empresa que os veicularia se negou a fazê-lo, alegando que a legislação proíbe temas religiosos. A Atea avalia a possibilidade de uma ação judicial.

Metade dos cerca de R$ 10 mil utilizados na campanha brasileira vem de pequenas doações e de recursos da própria instituição. A outra metade vem de um único doador paulista que prefere permanecer anônimo.

Divulgação

Folha.com – Cotidiano – Campanha em ônibus diz que Deus pode não existir – 10/12/2010

Orquestra Tom Jobim com o Maestro Roberto Sion

dezembro 5, 2010

Não exatamente…

abril 30, 2010

No Jornal Hoje MS do dia 29/04/2010, foi publicada uma entrevista comigo, sobre o mercado de trabalho em Três Lagoas, com as novas industrias que se planejam instalar aqui em Três Lagoas.

Gostaria de fazer aqui, algumas considerações sobre essa entrevista.

Plagiando o Blog do Reinando Azevedo, vou colocar minhas observações entre parênteses, na frente de cada parágrafo.

Seguem minhas considerações no texto abaixo.

Geral – Três Lagoas

28/04/2010 – 18:18

Secretaria já busca formas de capacitar trabalhadores para fabrica de fertilizantes (A Secretaria não está buscando forma de capacitar trabalhadores para fábrica de fertilizantes, até porque esse não é o papel da Secretaria. A secretaria sim se preocupa com a capacitação da mão de obra local, por isso, é parceira de iniciativas que venham de encontro com essa necessidade, como no caso do Senai) 

O município deseja capacitar especificamente treslagoenses que possam permanecer na indústria beneficiando o município.

(Como Secretario , digo que gostaríamos que toda a mão de obra fosse capacitada, não somente os que irão permanecer, como os que ficarão temporariamente por aqui)

Sarah Minini

Com a oficialização da fábrica de fertilizantes no município, começam a surgir algumas necessidades para que o crescimento de Três Lagoas seja realmente vantajoso para a população. Em entrevista com o Secretário de desenvolvimento Marco Garcia de Souza ele afirma que daqui para frente a prefeitura mais uma vez deve selar parcerias com  Sistema S (Senai, Sebrae, Sesi, Senac, Sesc), para que o município tenha a possibilidade de atender a demanda exigida pelas novas industrias. (Agora sim, foi dito que através de parcerias, a prefeitura irá fomentar essa iniciativa, pena que isso não foi dito no título do texto)

Embora a construção da Fábrica de Fertilizantes ainda não tenha sido iniciada – seu funcionamento está previsto para daqui quatro anos -, a prefeitura já busca formas de capacitar moradores do município para o trabalho na Fabrica. Além disso, apesar de inicialmente a maior demanda de mão de obra ser destinada para a construção, não é considerado de interesse do município capacitar pessoal para esta finalidade.

(De novo “a prefeitura capacitando e só os moradores do município”. Não foi isso que quis dizer, muito menos que não é interesse capacitar mão de obra destinada para a Construção.

O que disse na entrevista, é que certamente o número de pessoas que virão para Três Lagoas para a construção dos novos empreendimentos, será muito grande, variando entre 5 e 10 mil pessoas, como ocorreu com a fábrica da Fíbria. Não há capacidade de capacitar essa quantidade de pessoas, num período de tempo tão curto, já que a essa mão de obra só chega por aqui já na época da construção, é itinerante, já vem com uma experiência de trabalho em construção de outras industrias, tanto aqui como em outras regiões do Brasil.)

O secretário explica que a parte de construção civil é considerada um trabalho temporário e que, portanto, deixa de atender as necessidades de trabalho permanente da população. Portanto, inicialmente as parcerias com o Sistema S serão concentradas apenas para a capacitação dentro da indústria. “Tanto para a siderúrgica (Sitrel) como para a fábrica de fertilizantes, é interessante capacitar treslagoenses que permaneçam na indústria, faça carreira, possibilitando melhor qualidade de vida para a população. É inevitável que se busque mão de obra fora de Três Lagoas, principalmente nesta parte inicial em que a maior contratação é destinada à construção civil, e não se torna interessante esta capacitação, por ser empregos temporários”, explicou. (O Sistema S atende principalmente a demanda das industrias, num contato direto entre a empresa e o Senai por exemplo. A prefeitura entra com a parceria no que for possível ajudar. Para a Prefeitura e as empresas, seria ideal que toda a mão de obra fosse capacitada, mas como isso não é possível, acreditamos que a capacitação para atender a demanda da indústria, é importante em qualquer nível, desde de sua construção até o funcionamento em definitivo, sendo que o trabalhador que for permanecer aqui em Três Lagoas, independente se for trabalhar na construção ou dentro da fábrica, deve ter uma boa qualidade de vida e seu aprimoramento faz parte disso.)

Outro ponto levantado pelo secretário é a superpopulação. Três Lagoas já vivenciou problemas relativos ao superpovoamento devido a falta de mão de obra qualificada. (O “superpovoamento” gera problema, não porque tem a mão de obra desqualificada, mas porque gera uma aumento populacional de 10%, do dia para noite. Isso em qualquer cidade, geraria um problema, não pelo fato de ser qualificada ou não).

Durante a construção das fabricas de celulose e papel, o município não dispunha de infraestrutura para comportar o número de trabalhadores que chegaram ao município e, embora a previsão seja de que mais de 10 mil homens novamente passem a fazer parte o grupo de trabalhadores que levantarão as novas fabricas, o secretário acredita que com os alojamentos, Três Lagoas não passe mais pelos menos transtornos do passado. No entanto salienta que não é de interesse do município que estes trabalhadores permaneçam na cidade. (Os alojamentos já existiam na construção da fábrica e o impacto desse aumento populacional temporário de forma rápida, é um desafio para qualquer cidade. O município não tem restrição nenhuma a permanência dessa mão de obra, mas sabe que ela é itinerante por natureza, as famílias desses trabalhadores os aguardam em suas cidades)

Senai
De acordo com o Secretário, após recente visita às instalações do Senai ele compreendeu que apesar do local conseguir atender a demanda atual, será necessária para as próximas capacitações algumas ampliações. “Todo o Senai é muito bem estruturado, no entanto eles fazem planejamentos anuais, mas a prefeitura já se antecipa e pensa qual será o processo para as novas capacitações. Já existem planos para a Siderúrgica e será inevitável em pouco tempo que se coloque em discussão capacitar treslagoenses para a Fabrica da Petrobras”, explicou. (Não é o secretário de determina os projetos do Senai, o Senai é uma instituição autônoma, altamente competente, que sempre atendeu a demanda das empresas do município, e pela competência que mostrou até agora, sempre atenderá. Através da manifestação da industria, diretamente para com o Senai, o mesmo vem se estruturando e correspondendo a todas as expectativas)

O Senai, por sua vez, afirma que ainda não existe planejamento para capacitações referentes a fabricas de fertilizantes, mas está à disposição da Petrobrás. “O Senai pode ser ampliado a qualquer momento; tudo depende da necessidade da indústria. Para este ano, já foram realizadas as ampliações necessárias diante da demanda atual. Para os próximos anos e novos investimentos, aguardamos novas conversas”, afirmou a assessoria de comunicação do Senai.

Petrobrás deve capacitar operários para a construção civil
Embora o Secretário afirme que capacitação na área da construção civil não é o grande foco do município, no dia 9 deste mês a Petrobrás e a empresa Zopone Engenharia (empreiteira responsável por obras da termoelétrica) solicitou a gerencia do Cetec Senai capacitação de mão-de-obra na área de construção civil, além de aperfeiçoamento de todos os operários que prestam serviço para a empresa nas competências de auxiliar de obras, pedreiro, carpinteiro, armador, pintor de obras, instalador hidrosanitário e outros da área da construção civil. (A construção Civil como qualquer outra área de capacitação é interesse do município. Uma coisa é a capacitação da mão de obra local, outra é a capacitação da mão de obra que chega em grande número, na época da construção, sem interesse de capacitação)

A gerência do Cetec Senai Três Lagoas reuniu-se no último dia 09, no Vagão Escola do Senai, com representantes da Zopone Engenharia para oferecer cursos de capacitação de mão-de-obra na área de construção civil. A construtora está realizando obras de ampliação da Usina termoelétrica da Petrobrás em Três Lagoas e necessita aperfeiçoar todos os operários que prestam serviço para a empresa nas competências de auxiliar de obras, pedreiro, carpinteiro, armador, pintor de obras, instalador hidrosanitário e outros da área da construção civil.
Na reunião ficou acertado que o Senai iria avaliar as necessidades da termoelétrica, bem como da empresa Zopone Engenharia, para fazer o planejamento da nova capacitação. A Petrobrás também tem interesse em oferecer, em parceria com o Senai, cursos de qualificação para os familiares dos trabalhadores, tais como eletricista predial, auxiliar logístico e administrativo, soldas, boas práticas de fabricação e montador de andaimes.

fevereiro 14, 2010

Sucessão Familiar – CBN – Mundo Corporativo

fevereiro 14, 2010

Entrevista com Marcelo Barboza, sobre os desafios da Sucessão Familiar.

viaCBN – A rádio que toca notícia – Mundo Corporativo.

YouTube – Padre Marcelo Rossi e seus cachorros

fevereiro 4, 2010

 

Antes tarde do que nunca: a sanidade finalmente vai ao ar

dezembro 17, 2009

 

por Redação Mídia@Mais em 16 de dezembro de 2009 Opinião – Ambientalismo

E-mail Imprimir PDF

Prof. Luiz Carlos Molion no programa Canal Livre: ‘CO2 é o gás da vida…CO2 não é poluente’

Assim, e em dois sentidos, pode ser descrito o programa Canal Livre da BAND, levado ao ar na madrugada do último domingo para segunda e que tratou das mudanças climáticas, emissões de CO2 e da COP-15.
Gravado no sábado, dia 12/12, e programado para ir ao ar às 23h:30 de domingo, em muitas localidades só começou a ser transmitido aos 00:15 minutos da segunda.
Antes tarde do que nunca. O telespectador ao menos foi brindado pela ordem dos entrevistados. O primeiro foi o Prof. Luiz Carlos Baldicero Molion, o mais importante climatologista brasileiro.
Sem meias palavras, o Prof. Molion soube usar o tempo que lhe foi concedido para refutar a falácia do AGA e expor o que está por trás de toda essa agitação midiática: interesses políticos, econômicos e a ideologia da eugenia. Numa frase, o Prof Molion conseguiu sintetizar a sua brilhante participação: “CO2 é o gás da vida…CO2 não é poluente”.
Surpresa agradável foram as perguntas dos entrevistadores da BAND, Joelmir Beting, Fernando Mitre e Antonio Teles, que parecem ter percebido o grave erro do governo brasileiro, que em grande comitiva, foi a Copenhague oferecendo aquilo que será danoso para o país.
Os outros entrevistados ofereceram resposta frouxas, evasivas ou a visão do IPCC, à exceção de um entrevistado fora do estúdio, Engº da Embrapa. Confira nos vídeos.
Com as decisões políticas equivocadas já tomadas em função de um triunfalismo arrogante e eleitoreiro, misturado à ignorância das complexidades do tema, mas também pela indecorosa falta de atenção que a grande mídia deu aos alertas dos verdadeiro cientistas, o programa da BAND veio tarde. Antes tarde do que nunca, mas a um custo incalculável.
http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp  Partes 1,2, 3 e 4

Antes tarde do que nunca: a sanidade finalmente vai ao ar

dezembro 14, 2009

O Bicho Pegou!